Literatura clássica para os pequenos: válido ou não?

Olhem só que incrível: Machado de Assis, Luís de Camões, Shakespeare e muitos outros clássicos da literatura mundial estão sendo adaptados especialmente para os mais novos. Isso tudo porque os títulos originais são densos demais para os primeiros anos da educação fundamental, mas são de extrema importância para o conhecimento dos pequenos.

Conversei com o professor e doutor de Literatura Infantil & Juvenil do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da USP, José Gregorin Filho, e segundo ele é de extrema importância oferecer um universo vasto de leitura para as crianças. “No caso da leitura literária, é importante que as crianças tenham contato com a ‘palavra-arte’, já que somente a arte pode discutir os valores humanos com distanciamento, com a criação de um universo no qual observamos nossa vida por meio da vida de outros, no caso, dos personagens”, explica ele.

Os clássicos da literatura, por tratarem de questões humanas atemporais, podem e devem ser apresentados aos leitores desde a infância, fazendo o papel de trampolim para a iniciação da leitura de obras clássicas. “É de suma importância que as crianças aprendam desde cedo a cultura que a humanidade foi produzindo ao longo dos tempos. Além disso, há boas adaptações que podem, mais tarde, despertar o gosto por este tipo de literatura”, conta. Muitas vezes, uma obra passada na íntegra para um leitor imaturo literariamente pode acarretar em um afastamento de determinados autores. O que é muito comum ocorrer por aqui.

Por conta disso, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) vem enviando diversos volumes literários adaptados ao ensino público, de forma a contribuir para o estímulo à leitura das obras originais. “Mas vale ressaltar: as famílias que deixam este trabalho apenas para a escola vão na contramão do objetivo final, já que a família ocupa um papel central. Resumindo, as crianças precisam ver seus pais e sua família lendo literatura e discutindo literatura. E isso, infelizmente, não é tão fácil de se encontrar nos dias de hoje”, observa Gregorin.

E você, acha válido esse estímulo desde cedo? Se sim, conheça algumas obras abaixo:

A Ilha Misteriosa
Adaptado por Clarice Lispector

Um dos melhores romances de aventura do escritor francês Julio Verne, publicado pela primeira vez em 1874, ganha adaptação de um dos grandes nomes da literatura brasileira, a escritora Clarice Lispector. O livro conta a história de cinco abolicionistas que fogem em um balão, acompanhado de diversos acontecimentos estranhos, levando o pequeno leitor a se perguntar: “que segredo, afinal, guarda essa ilha misteriosa?”.

Dom Quixote das crianças
Adaptado por Monteiro Lobato

Quem nunca ouviu falar em Dom Quixote e Sancho Pança? Adaptado por Monteiro Lobato, esse livro traz as aventuras do cavaleiro que percorria o mundo em busca de justiça e glórias. A história do fidalgo espanhol, escrita por Miguel de Cervantes, há mais de 400 anos, continua emocionante como sempre. Principalmente nessa versão, recontada pela querida personagem Dona Benta.

Os Lusíadas em quadrinhos
Série clássicos em HQ

A obra máxima da língua portuguesa, escrita por Luís de Camões, recebeu uma versão em quadrinhos por meio do traço marcante do cartunista Fido Nesti. No livro, é o próprio Camões quem guia o leitor nessa viagem literária, na qual encontrará com Vasco da Gama, Inês de Souza, o Velho do Restelo e os deuses da mitologia, no capítulo final intitulado “A Ilha dos Amores”.

A Carta Roubada
Adaptado por Rosa Moya

Neste livro, o investigador Chevalier Auguste Dupin precisa decifrar um mistério: quem teria roubado a valiosa carta do ministro D.? Intrigas políticas, alta sociedade, um ministro ladrão, um policial incansável e um investigador que sabe raciocinar de forma diferente são os personagens desta clássica obra de Edgar Allan Poe.