Entrevista: Natália Mestre, repórter da Glamour Brasil

“Estou sempre em busca do novo, do que ainda vai causar”. Esse é o lema da jornalista e atual repórter da revista Glamour, Natália Mestre. Para quem não sabe, Nat veio de Sorocaba, interior de São Paulo, e é graduada em jornalismo pela PUC. Já teve passagem pelas redações de Chiques & Famosos e UMA, da editora Símbolo; IstoÉ, IstoÉ Platinum e Status, da editora Três; e ainda conta com diversas matérias escritas para revistas e sites renomados, como Marie Claire, Crescer, IstoÉ Gente, Uol e Terra. Fiz um entrevista bacanérrima com ela, onde Nat apresenta um novo cenário do jornalismo atual, onde rapidez, conteúdos fortes e uma boa dose de tempero linguístico andam lado a lado. Confiram o bate-papo abaixo:

  • Nat, pra você, quais são os conhecimentos específicos que um profissional de jornalismo deve buscar para cobrir com eficiência essa área? 

Olha, primeiro eu acho que todo bom jornalista precisa ter paixão pelo que faz, paixão por querer saber mais e mais, por achar um assunto novo ou de repente um viés diferente e que ainda não foi explorado. Especificamente para a minha área, que é comportamento. Além de tentar entender o que as pessoas estão querendo, sentindo ou pensando, eu acho que sensibilidade é essencial. Estou lidando com pessoas, certo? É preciso sensibilidade para contar uma boa história, que tem muito a ver em desenvolver uma relação bacana com o entrevistado, de aproximação, confiança, empatia e estar aberta a ouvir.

  • E como foi o convite para trabalhar na Glamour? Sempre foi um sonho seu? 

Sempre amei a Glamour e estava louca para voltar a trabalhar com femininas. E acredite se quiser, mas minha entrada na Glamour foi pelo RH mesmo. Mandei currículo, eles curtiram, e então comecei o meu processo seletivo.

  • Como é o dia a dia da redação?

É uma delícia, a redação tem um clima gostoso e uma energia leve. Mas, claro, é uma correria, né? Estamos sempre atrás dos personagens, das pautas mais bombásticas, da ideia mais original, da foto mais inspiradora…

  • A revista tem só três anos no mercado, mas já se destacou dentre tantas outras com mais tempo nas bancas. Por que você acredita que ela faz tanto sucesso? 

O grande diferencial é que a Glamour é muito mais do que uma revista, é uma marca muito bem trabalhada e com um posicionamento bem definido. É uma fábrica de sonhos, um mundo cor-de-rosa que conquista cada vez mais as leitoras. E, tenho que dizer, muito disso é mérito da Mônica Salgado, que soube construir esse universo Glamour como ninguém. É um universo que todo mundo sonha em fazer parte, sabe? Eu acompanho as leitoras que fazem visitas à redação (todo mundo pode vir visitar a redação, ok? É só marcar comigo!) e posso garantir que vejo os olhos delas brilharem, uma empolgação absurda. Só por aí dá pra ter uma ideia do quão bem-sucedido é o universo Glamour.

  • Como é o clima durante as reuniões de pauta?

Ah, até que é tranquilo, viu? É um momento gostoso de pensar em conjunto a revista, de trocar ideias, buscar o melhor pra revista, etc.

  • Em semana de fechamento, até que ponto a correria chega?

Supercorreria! Tem dias que até sinto que dormi na redação, já que chego cedinho e vou embora quase de madrugada (risos). É uma semana em que a vida pessoal praticamente para, fica em segundo plano mesmo.

  • Qual o lugar preferido da Glamour para ir depois do trabalho?

Olha, a equipe Glamour não dispensa uma boa festa, não! Bons drinques, música boa, dançar até o mundo acabar… é com a gente mesmo! Eu, Natália, adoro tudo isso, mas também amo um jantarzinho com as amigas e um momento sofá + edredom + filminho + Gabriel (meu marido).

  • Pra finalizar, qual a sua capa do coração?

Amo demais a capa com a Isabelle Drummond. Acho a cara da revista, com frescor e muita feminilidade.