Hotel As Janelas Verdes: o lugar que inspirou Eça de Queirós

Em Novembro do ano passado, quando estive em Lisboa, fui convidada para conhecer o hotel As Janelas Verdes – que já havia feito matéria aqui, para o Huffington Post Brasil. Na época que escrevi sobre ele, estava fazendo uma pesquisa sobre os locais históricos da cidade e sobre Eça de Queirós, um dos meus escritores portugueses favoritos. Fiquei encantada quando soube que ali, naquele pequeno hotel (situado no centro histórico de Lisboa), frequentava Eça e alguns de seus amigos mais próximos. Além disso, muitos afirmam que foi neste palacete, datado do século XVIII, que inspirou o Ramalhete de Os Maias, minha obra favorita e uma das mais conhecidas do autor.

Pois bem. Em um sábado de manhã, por volta das 10h30, lá fomos nós tomar o “pequeno-almoço” na antiga residência. Para quem não conhece, o hotel, que é considerado um hotel boutique, encontra-se ao lado do Museu Nacional de Arte Antiga, na belíssima Rua das Janelas Verdes – uma zona bem tranquila e acolhedora. O mais interessante é que ele não se parece um hotel, e sim uma casa, muito bem conservada e decorada, com objetos de arte, livros, fotos e uma infinidade de detalhes que qualquer amante da literatura iria suspirar (como eu) 🙂

Fomos recebidas pela Sr. Palmira Barão, governanta do hotel e que, segundo a responsável pelo marketing, Raquel Jorge, “conhece As Janelas Verdes como ninguém”. Foi realmente uma experiência inesquecível, além de uma bela surpresa, com tantas histórias e informações que nos foi contada. Sentamos na sala “Maias” para tomar o café da manhã e em seguida fomos visitar os aposentos do hotel.

Uma observação interessante: quem estava sentada na mesa ao lado da nossa era a escritora brasileira Danuza Leão, que sou fã. Segundo a Sr. Palmira, toda vez que ela visita a cidade, se hospeda ali, devido ao clima intimista e informal do hotel. Para quem não conhece a Danuza, vale dar uma lida aqui e pesquisar suas obras.

Depois de apreciar uns belos pastéis de nata, fomos até o jardim, onde é servido o café da manhã durante o verão e a primavera. É um pátio belíssimo, com azulejos antigos e muito verde – delicioso para passar uma tarde ao ar livre.

Logo em seguida fomos ao famoso terraço, que na realidade é uma grande biblioteca (com uma infinidade de livros antigos) e uma vista de tirar o fôlego para o rio Tejo. “Não queríamos transformar a melhor vista do hotel em uma suíte onde poucos teriam acesso. Resolvemos que aqui seria o ponto de encontro de todos que pretendem descansar, ler um bom livro e apreciar a vista”, nos explicou a governanta. E a ideia é mesmo muito boa, já que os hóspedes podem curtir a sala a qualquer hora do dia, sem se sentir em um hall de entrada de hotel, onde dezenas de pessoas passam diariamente.

Outra coisa que achei genial foi uma espécie de cozinha compartilhada, ao lado da biblioteca, e de uso exclusivo dos hóspedes. Lá tem máquina de café, louça, geladeira, micro-ondas, entre outras coisas. Ou seja, se de repente você acordou no meio da noite, pode ir até a cozinha e preparar um lanche, um café, ou até mesmo ir ler um livro no sofá da biblioteca.

Uma espécie de “minha casa, sua casa” 🙂

Em relação aos quartos, são 29 no total, todos equipados com ar condicionado, internet, banheiro privativo, roupões de banho e chinelos. Eles são divididos entre os mais antigos, que fazem parte do palacete original, e os remodelados, que fazem parte da uma extensão feita recentemente. Ambos são belíssimos, com decoração clássica e ambiente ultra romântico.

Para quem quiser curtir os arredores, a cerca de 1km dali se localiza Belém e suas principais atrações: o Mosteiro dos Jerônimos, a Torre de Belém (que fiz um post aqui), o Padrão dos Descobrimentos e o Museu dos Coches. Vale muito a pena se hospedar por lá, principalmente para os que apreciam esse clima de informalidade e poucas pessoas à volta. É delicioso!

E obviamente não posso deixar de agradecer à Sr. Palmira e a Raquel, que nos receberam tão bem.

Muito obrigada e até breve <3

Mais informações:
As Janelas Verdes
Rua das Janelas Verdes, 47
+351 21 396 81 43
janelas.verdes@heritage.pt