46ª edição Moda Lisboa: favoritos

Como já falei neste post aqui, semana passada aconteceu a 46ª edição da Moda Lisboa – com as apresentações das coleções Outono-Inverno 2016/17. Acompanhei o primeiro dia, onde falei um pouco sobre a plataforma Sangue Novo e os nove novos designers, e agora venho falar dos meus desfiles favoritos no geral. Assisti aos 21 que estavam na lista (e disponíveis no site da Vogue Portugal) e selecionei os meus top 10, além dos 33 melhores looks de todos os três dias de passarela. Me surpreendi com vários que não conhecia! Olhem só (em ordem alfabética):

  • Alexandra Moura

Achei extremamente elegante o desfile da Alexandra, que apostou bastante nas transparências e, principalmente, no preto. Segundo ela, Anohni, dos Antony and the Johnsons, foi a inspiração da coleção. Adorei o terceiro look 🙂

  • Carlos Gil (meu favorito)

Para mim, essa foi a grande revelação. Não conhecia o trabalho do Carlos e fiquei encantada por absolutamente tudo o que ele desfilou. No site da Vogue ele fala sobre a mistura de tons (que é lindíssima) e acrescenta que o trabalho é exaustivo, “mas é tudo para deixar a coleção elegante e, principalmente, sedutora”. Achei lindo como ele misturou o retro com o contemporâneo.

  • Christophe Sauvat

Amei essa coleção, toda inspirada no Peru (trazendo a lã, os bordados, e outras técnicas manuais para as passarelas). Christophe desenhou uma coleção bem diferente, com pegada boho, em uma mistura de padrões e sobreposições bem interessante. O primeiro look (meu favorito) foi o que abriu o desfile.

  • Dino Alves

Nem precisei ler o press release pra perceber que as princesas e o estilo romântico foram pauta dessa coleção. As coroas, feitas com ganchos, complementam esse ar lúdico e muito feminino. Adorei os maxi laços e as golas em renda. Um amor <3

  • Filipe Faísca

A primeira vez que ouvi falar no trabalho do Filipe foi através da Camila Coutinho, que fez um fitting no atelier dele e mostrou tudo no Snapchat. Essa coleção, segundo ele, veio da tentativa de unir passado e futuro, “já que vivem em simultâneo”. Além disso, ele quis mostrar que beleza não tem idade, abrindo o desfile com uma modelo idosa. Detalhe para os sapatos com meia 😉

  • Luís Carvalho

A inspiração do Luís foi o gelo, em uma cartela de cores bem sóbria (como o branco, preto, cinza e berinjela). Achei muito diferente de todas as outras que desfilarem e gosto bastante dessa onda mais minimalista e de cores não tão aparecidas.

  • Miguel Vieira

Gostei muito da combinação do preto e do azul, as cores que prevaleceram durante quase todo o desfile. Nas peças femininas, podemos notar o traço minimalista e de linhas estruturadas (adorei os vestidos brancos). Já nos homens, a aposta ficou nos lenços, todos amarrados ao pescoço.

  • Nadir Tati

O nome dessa coleção é “A voz de Angola”, e segundo a estilista, é uma forma de chamar a atenção para o desenvolvimento feminino e o posicionamento da mulher africana perante os outros. Achei muito criativa e com peças lindíssimas, extremamente elegantes e ao mesmo tempo modernas. O primeiro vestido é belíssimo <3

  • Pedro Pedro

Nessa coleção, em particular, adorei os tons de oliva que ele usou. As duas peças de destaque, sem dúvida foram as bombers volumosas e os maxi casacos – tudo isso com inspiração a um grunge mais sofisticado.

  • Rose Palhares

Provavelmente a coleção mais comercial de todas, mas não menos bonita e digna de uma fashion week. Gostei muito do trabalho da Rose e, principalmente, pela essência romântica mas ao mesmo tempo sexy que ela trouxe. A silhueta é extremamente feminina e colada ao corpo, mas ao mesmo tempo traz a delicadeza da renda e das transparências. Também gostei muito da cartela de cores, em tons de dourado, rosa claro e champagne.

Mais informações:
Moda Lisboa Oficial