#SPFW: moda praia made in Brasil

Pensar em Brasil é pensar em tropicalidade. Praia, mar, água de coco, cabelos ao vento e o famoso biquíni brasileiro. Em um país que tem uma das maiores dimensões litorâneas do mundo, onde o verão reina em quase todos os dias do ano, é praticamente impossível não pensar no impacto dessas informações no mundo da moda – ou melhor, no mundo do beachwear.

Só para vocês terem uma ideia, segundo a Associação Brasileira de Indústria Têxtil (Abit), a moda praia consome no mercado interno cerca de US$ 1,5 bilhão por ano. E esse resultado não é apenas positivo para quem fica aqui, mas também para o país em um contexto geral: somos referência mundial e o maior exportador desse segmento.

A última vez que estive em Portugal, por exemplo, encontrei marcas de beachwear com a mesma sacada das grandes marcas brasileiras. Nosso corte, acabamento criativo e estampas aparecidas servem de inspiração para diversos países. E isso só mostra que devemos, sim, dar maior importância para a moda praia nacional.

Felizmente foi o que aconteceu nessa última edição do SPFW, onde seis marcas de beachwear desfilaram coleções de cair o queixo. Vamos as minhas favorita:

  • Lenny Niemeyer 

Lenny é uma das estilistas mais queridas quando o assunto é moda praia. A paulista carrega uma identidade forte, com modelagens contemporâneas e ultra sofisticadas. Sua coleção, desfilada no terceiro dia do SPFW, trouxe inspiração na cultura milenar japonesa, trazendo muita textura, estampas e amarrações – com forte referência ao trabalho de Nobuyoshi Araki.

Outro trabalho que chamou a atenção foi a amarração Shibari, que é um método nascido no Japão usado para prender fugitivos no século 19. “Foi um grande aprendizado trabalhar com este estilo de amarração. As cordas são contínuas, então cada maiô leva de 20 a 30 metros de cordas de lycra”, contou Lenny no backstage do desfile.

Atenção extra aos maiôs e biquínis recortados, com modelagens fortes e decotes bem abertos. Um dos meus desfiles favoritos de todos os tempos  🙂

  • Vix

Estreante no SPFW, a Vix, da estilista Paula Hermanny, continuou apostando nas calcinhas franzidas estilo “levanta bumbum”, que garantiram sua fama mundial e transformaram esse modelo em uma verdadeira febre.

Sua coleção, desfilada no segundo dia do evento, ganhou contornos e cartela de cores mais sóbrias, inspiradas em mulheres elegantes que passam suas férias no sudeste asiático. Ponto alto para os biquínis clássicos nos tons azul royal e pele rosado, e para os acabamentos artesanais.

  • Triya

Com inspiração no sol, a Triya apresentou um desfile forte, com estamparia digital e muito trabalho artesanal. Sua inspiração era visível na beleza do desfile, com uma maquiagem ultra iluminada e diversos tons de dourado.

A estilista Bela Frugiuele trabalhou com uma diversidade de tecidos que vão muito além da lycra – como a seda e o veludo, por exemplo. Vale destacar a linda estampa do céu à noite, cheio de estrelas. Tudo ficou ainda mais mágico com a voz de Nina Simone ao fundo 🙂

  • Água de Coco

A marca foi buscar sua inspiração na riqueza natural e cultural da floresta amazônica, tanto na área que abrange o Brasil, como na área do Peru e da Colômbia. Além de apostar nas estampas de folhagens, vitórias régias, frutas da região e até em um print fotográfico de uma onça pintada, a estilista Liana Thomaz apostou em bordados e recursos naturais para criar brilhos e texturas.

Foi uma das coleções que mais gostei, depois da Lenny, e foi difícil selecionar as fotos para a montagem abaixo. Fiquei apaixonada pelos bordados em canutilho desenhando tucanos e a estampa de folhagem <3

Mais informações:
FFW
Fotos | Divulgação