Roteiro #Floripa: tudo sobre a ilha

Depois de um feriado delicioso, e depois de fazer uma cobertura completa sobre o SPFW, é hora de atualizar o site com algumas dicas preciosas para quem planeja conhecer Florianópolis, ilha que fica localizada ao sul do Brasil, no estado de Santa Catarina, e a cerca de 140 km de onde moro (um dos meus lugares favoritos no mundo).

Como sei que tenho muitos seguidores de fora, mais precisamente de Portugal, vou falar um pouco sobre a cidade e algumas praias interessantes para visitar 🙂

Floripa, como é carinhosamente chamada, é uma cidade que impressiona, já que consegue reunir em uma pequeno espaço (cerca de 675.409 km²) diferentes paisagens e uma inesgotável lista de atrações.

De todas as capitais brasileiras, apenas o Rio de Janeiro rivaliza com Florianópolis quando o assunto é diversidade de belezas naturais, que envolve montanhas, mata atlântica, baías, enseadas, praias, lagoas, dunas, manguezais e restingas. É muita beleza reunida 🙂

A diferença entre as duas capitais se dá pelo seu número de habitantes, já que Floripa conta com aproximadamente 453 mil, enquanto a cidade do Rio soma mais de 6 milhões. Outro fator importante é a diferença na qualidade de vida. Florianópolis é conhecida por ser a capital brasileira com maior pontuação do Índice de Desenvolvimento Humano.

Além disso, a revista Veja classificou a cidade como “o melhor lugar para se viver no Brasil”, enquanto o Índice de Cidades Empreendedoras, elaborado pela filial brasileira da ONG norte-americana Endeavor, elegeu a cidade como o melhor ambiente para o empreendedorismo no Brasil.

Como vocês podem ver acima, a ilha é composta por diversas praias (ao total são 42) espalhadas por toda a sua extensão. Ao leste e ao norte, por exemplo, se encontram as praias favoritas dos surfistas. Jurerê ganhou fama pelas casas dignas de cinema e uma infinidade de bares e boates. Já ao sul, as vilas de pescadores atraem os mais sossegados, como a praia Pântano do Sul. Já as minhas favoritas são:

Quem me conhece sabe o quão apaixonada eu sou por esse lugar. Acredito que seja pelo fato de ser um dos únicos bairros da cidade que não tenha sofrido impactos relevantes causados pela expansão imobiliária. Tudo por ali tem um certo ar pacato e charmoso, de vila colonial (não há prédios e as ruas não são pavimentadas).

No centrinho histórico, entre as praças Roldão da Rocha Pires e Getúlio Vargas, estão as principais atrações turísticas, como a Igreja (belíssima) de Santo Antônio, o antigo Posto da Alfândega, casa onde se hospedou Dom Pedro II, e a primeira rua calçada de Santa Catarina.

Adoro passear pelas ruas, entrar nas lojinhas de artesanato, almoçar em um dos muitos restaurantes da região (a maioria de frutos do mar) e apreciar o mais lindo pôr do sol, que é de tirar o fôlego 🙂

Quem quiser saber mais sobre o lugar, basta clicar aqui.

Pertencente ao Distrito de Santo Antônio de Lisboa, Sambaqui abriga uma população residente que gira em torno de 1.400 pessoas. É cenário de uma tradicional vila de pescadores (de raízes fortes açorianas) e lugar utilizado para o cultivo de ostras e mariscos.

O mercado por lá é bastante modesto, constituído basicamente de pequenos mercados, padarias, peixarias e farmácias. A praia é calma, deliciosa, e reúne um bom número de restaurantes (com uma vista incrível).

A praia não é em minha homenagem, e sim à neta do senhor João Prudêncio de Amorim, empresário que ergueu um loteamento na região no início da década de 70. É conhecida pelo seu mar calmo, praticamente uma piscina.

É também muito simples, com uma população fixa que não ultrapassa os 1.000 habitantes. Por lá não há hotéis, apenas algumas pousadas e casas para aluguel de temporada. Recomendo se hospedar em lugares próximos, como Jurerê, e conhecer a Daniela em seguida 🙂

Muita gente se confunde com os nomes Jurerê e Jurerê Internacional. Mas na verdade ambos são uma única praia, divida apenas por uma “linha imaginária”, digamos assim.

Do lado direito ficam as casas de veraneio, com famílias e crianças brincando pelas areias finas e brancas. Do lado esquerdo ficam as mansões milionárias, ponto de encontro dos endinheirados que se jogam durante todo o dia nas boates (sem hora para começar ou acabar). A música eletrônica embala os ambientes antes, durante e depois do sol nascer.

Os beach clubs mais frequentados são: Parador 12, Donna, Taikô, Posh, Pacha e Café de La Musique.

Logo mais vou fazer um post sobre os melhores restaurantes e confeitarias. Quem quiser saber um pouco mais sobre Floripa, recomendo o site Guia Floripa (link abaixo), com várias dicas e explicações 🙂

Mais informações:
Guia Floripa