Entrevista: Zack Magiezi (o criador das pílulas “notas sobre ela”)

Vocês já devem ter reparado que eu compartilho muitas “notas sobre ela” na tag Today’s Idea aqui no site. Para quem é de fora e não conhece, elas são escritas pelo publicitário Zack Magiezi, que se tornou um fenômeno nos últimos meses.

Todos os seus poemas são curtos e datilografados, geralmente abordando temas como amor e perda. Eles são compartilhados na sua fanpage, chamada Estranherismo (que conta com quase 500 mil likes), e no Instagram, com mais de 600 mil seguidores.

O sucesso foi tão rápido que a editora Bertrand o convidou para publicar seu primeiro livro, lançado no começo desse ano (que é lindo, por sinal) 🙂

Entrei em contato com ele por e-mail, já faz algumas semanas, onde fizemos a entrevista abaixo:

  • O que (ou quem) te inspirou a escrever? Quais são os seus escritores favoritos?

Bom, eu comecei a escrever para aliviar o meu próprio ser, para conseguir ser um pouco mais leve. E obviamente amo ler. Tenho muitos escritores que me inspiram, como Cortázar, Gabo, Manoel de Barros, Valter Hugo Mãe, Gonçalo Tavares, Saramago, Juan Rulfo, Kafka, entre outros.

  • Como funciona o seu processo de escrita? Você tem alguma mania curiosa?

Na verdade não é nada de outro mundo, escrevo apenas quando estou inspirado. Geralmente ando com um caderninho onde anoto as ideias que chegam do nada, e depois tento dar uma lapidada.

Comigo sempre acontece um fluxo. Fico dias sem escrever nada, mas quando escrevo, sempre é em grandes quantidades.

  • Você começou a compartilhar seus textos pelo Facebook, certo? Quando você criou a página e quando criou sua conta no Instagram? Lembra das datas?

Acho que no Facebook foi no início de 2014, já no Instagram foi em março de 2015 (não sou bom com datas).

  • Um dos seus maiores sucessos são as famosas “notas sobre ela”. Como surgiu essa ideia dos pequenos versos? Você escreve pensando em alguma pessoa específica ou vai da imaginação?

“Notas sobre ela” veio com as redes sociais, e na verdade é a minha tentativa de captar uma fotografia de um pequeno e singelo fragmento da essência feminina. Ela é uma mulher que conheço, mas nunca vi.

  • Você imaginava que seus versos iriam se tornar virais desta maneira? Como foi, para você, esse crescimento e reconhecimento?

Nunca imaginei e nem tinha pretensão, minha ideia era apenas ter meus textos guardados em um só lugar, já que sou bem desorganizado. Fico muito contente quando as pessoas são tocadas. Gosto de mexer nas coisas que ficam perto da alma, nas coisas que tentamos esconder.

Não me preocupo muito em acompanhar números, curtidas e etc., pois poderia de certa forma influenciar o que faço – como por exemplo, escrever textos com os temas que tiveram mais curtidas e por aí vai. Não acho honesto, essas coisas não interferem naquilo que quero dizer.

  • Seu livro foi lançado recentemente. Como foi o processo? Era um desejo seu, algo que já planejava?

Não planejei nada, foi um sonho que chegou por e-mail (a Bertrand que me procurou com a ideia). O processo foi bem fácil, fiz um arquivo com todos os meus textos e duas amigas minhas selecionaram. Ainda está sendo muito mágico para mim.

  • Pra finalizar: se pudesse escolher um único livro que marcou sua vida, qual seria?

Vou escolher dois, pode ser? “Cem anos de Solidão”, de Gabriel García Márquez, e “O Velho e o Mar”, de Hemingway 🙂

Para seguir o Zack nas redes sociais:
Instagram: @zackmagiezi
Facebook: @estranherismo
Twitter: @zackmagiezi