O mundo encantado da Dior (e o que é, afinal, a alta costura)

Essa semana o mundo da moda vibrou com os desfiles de alta costura de Paris, principalmente com a tão aguardada estreia da estilista italiana Maria Grazia Chiuri na Dior.

Minha feed ficou cheia de imagens do desfile e não há uma única pessoa que goste de moda que não tenha acompanhado e se entusiasmado com essa apresentação. Até porque, os desfiles haute couture são isso mesmo, um verdadeiro espetáculo que mexe com o nosso imaginário.

Mas afinal, vocês sabem realmente o que significa a alta costura? Eu acompanho muitos blogs, vejo muita gente falando sobre isso, mas às vezes sinto que no fundo ninguém sabe ao certo o que é, o que significa e o porquê da haute couture existir. E antes que me julguem, eu acho normal não conseguir processar tanta informação (são semanas atrás de semanas, calendários que mudam o tempo todo, termos e mais termos, estilistas que entram e saem). É complicado. Mas o que não acho ok é falar sobre um determinado assunto sem entender e/ou apurar bem a informação. Afinal, se temos um espaço e se temos pessoas que nos leem, é de suma importância que demos um bom conteúdo. Diria até que é uma responsabilidade.

E por isso gostaria de, além de mostrar o desfile lindo da Maria, fazer uma breve explicação. Jogo rápido, prometo.

O que é, afinal, a alta costura?

É simples. A alta costura é completamente construída à mão, do início ao fim. Tudo o que é utilizado é da mais alta qualidade, com tecidos muitas vezes raros e costurados com extrema atenção aos detalhes. Todo esse processo é finalizado por costureiras ultra experientes, com técnicas manuais árduas e lentas.

Atualmente, na França, o termo alta costura é protegido judicialmente e só pode ser usado por estilistas e empresas que cumpram determinados padrões e exigências bem definidas pela Federação Francesa da Costura, do Prêt-à-porter, dos Costureiros e dos Criadores de Moda. Para que uma marca possa pertencer a este seleto grupo, existem algumas regras básicas:

  • A marca precisa produzir peças feitas sob encomenda para clientes particulares
  • O atelier precisa estar localizado em Paris e com pelo menos 15 funcionários trabalhando em tempo integral
  • Precisa apresentar duas coleções por ano com pelo menos 35 modelos para o dia ou para a noite

Uma curiosidade: existem apenas 2000 mulheres no mundo que compram alta costura. Destas, só 200 são fiéis.

Outro ponto importante a destacar é que a haute couture não define tendências, ao contrário das semanas tradicionais. É tudo mais conceitual, altamente sofisticado e muito, muito exclusivo (e com preços nas alturas).

Esse vídeo mostra o processo de criação de um vestido:

Eu lembro que comecei a entender melhor sobre esse universo depois de uma temporada de Project Runway, em 2008, com o Christian Siriano (quem lembra?). Ele criava peças absolutamente incríveis, e eu adorava acompanhar o processo de criação e a linha de pensamento que ele tinha. Lembro que na final do programa até me emocionei 🙂

Mas passada toda essa explicação, mostro abaixo as fotos do desfile da Dior, com um ar místico e feminino.

My vision for the new Dior couture woman: she is desirable, fragile but with inner strength (Maria Grazia Chiuri)

O desfile, na íntegra, vocês podem conferir aqui:

Mais informações:
Dior MAG