Pensamento solto #9 (chegadas e partidas)

A minha vida é um eterno programa “Chegadas e Partidas” – que aliás era um dos meus favoritos da televisão brasileira, apresentado pela talentosa Astrid Fontenelle.

Acho que nunca me senti em uma montanha-russa de emoções tão grande como nos últimos dois anos. Acho que nunca amei e detestei tanto o caminho até o aeroporto. Acho que nunca me senti tão vazia e ao mesmo tempo tão inteira quanto agora.

Felicidade e tristeza sempre mescladas.

Mas é como diz Milton Nascimento em uma das músicas que mais gosto: “chegar e partir são só dois lados da mesma viagem; o trem que chega é o mesmo trem da partida. A hora do encontro é também despedida; a plataforma desta estação é a vida desse meu lugar”.

E são as idas e vindas que escrevem, hoje, a minha história. São as mudanças, os recomeços (constantes), o adeus e o bem-vindo de volta. É o abraço apertado do meu pai, as mensagens atrás da minha porta. Os doces favoritos de cada um, as fotografias que ficarão para sempre.

Hoje eles foram. Mas amanhã voltam.

E eu fico aqui sempre, sempre, a espera.