Valentine’s day: o segundo que antecede o beijo

E assim de repente, sem mais nem menos, o mundo todo calou. Parou a respiração, a fala, a calma. Sinceramente já não sei se o que sinto é frio ou hesitação. Tento desviar o olhar, mas não consigo – eles estão fixos no seu. No seu sorriso. Com esses seus lábios de quem já descobriu o mundo e de quem sabe o que fala (e faz).

Mordo os lábios lentamente. Não de um jeito provocativo ou sedutor. De um jeito estúpido até. De nervoso. De não saber o que esperar e, ao mesmo tempo, esperar que você saiba. Porque você sabe. Você sempre sabe de tudo…

E num gesto impulsivo, quase involuntário, apoio as mãos no seu rosto. E você fecha os olhos, de maneira tão sutil que quase nem percebo. Estou vidrada acompanhando cada movimento minúsculo dos seus traços. E quase instantaneamente sinto uma onda de arrepio tomando conta de mim, com a sua proximidade, com a sua mão na minha. Você a segura da forma mais delicada que alguém já o fez. Você é simples, sutil.

E dessa forma me sinto interrompida. Atravessada. Meu coração passa por uma disritmia que congela o cérebro – já não penso mais em nada. Me bate aquela sensação estranha na barriga. Borboletas no estômago, deve ser isso o que dizem por aí. Sinto instantaneamente o rubor das minhas bochechas. Você simplesmente me olha tão profundamente que tenho medo que você consiga cair para dentro de mim. Você sente toda a minha vulnerabilidade. Nua e crua.

E de repente acontece. Me sinto exposta, sem segunda pele ou proteção. Peito rasgado. Fragilizada pela falta de argumentos quando você encosta a sua barba mal feita no espaço entre o meu ombro e o meu pescoço. Você simplesmente me dissipa de barreiras e desculpas. Você me segura. Me dá segurança. E cai para dentro de mim, mesmo com os olhos fechados. Me atravessa e eu nem ligo se as pessoas à volta estão constrangidas ou não – aliás, nem sei mais onde estou.

A sua gentileza foi não ter esperado demais. E não consigo, no final, descrever bem o seu gosto ou o que pensei na hora. Simplesmente não pensei em nada.

Você já me levou faz tempo…